Sabe o motivo de 09 de julho ser feriado no Estado de São Paulo?

Saiba o que foi a Revolução Constitucionalista de 32

Há 87 anos (atualizado), o povo paulista promoveu um movimento singular na história do País. Toda a população se uniu em torno do mesmo ideal e partiu para a luta armada para que o Brasil tivesse sua Constituição. O episódio ficou conhecido como Revolução Constitucionalista de 1932, uma verdadeira guerra civil que custou a vida de mais de 800 paulistas, de acordo com dados oficiais. Mesmo saindo perdedor, São Paulo tem muito o que comemorar. Dois anos depois da revolução, em 1934, uma assembléia eleita pelo povo promulgou a nova Carta Magna do País.

Saiba mais em: Governo do Estado de São Paulo

03 de junho – Dia do profissional de RH

Um país chamado RH

Existe um país chamado RH…
Nele ‘mora’ um povo especial: legisladores, educadores, técnicos, gente que cuida do pessoal.
Gente que recruta, seleciona e contrata, também paga, desconta e aposenta.
Povo que cuida da saúde, do alimento, providencia o transporte, cuida de quem bebe, de quem fuma, de quem tem problemas e pendências.
Povo que treina, desenvolve e recicla, que briga pelo salário e pelo benefício, conversa com o sindicato e com a direção.
Fiel da balança entre o Capital e o Trabalho.
Cuida de um, pensando no outro.

Gente que apesar de tanta função, prática e burocrática, sonha e procura conectar a alma das pessoas, ‘reinventar’ a motivação, resgatar o brilho no olhar, gente que acredita no ser humano e garimpam talentos.
Seu grande desafio é fazer o concreto e sonhar com o abstrato, receber na chegada e desligar na saída, satisfazer o empregado e o patrão, ‘um olho na missa e outro no padre’, tempo para educar e tempo para punir.
Plural e Singular.

A sina do RH é atuar na contradição, ‘ser empregado esquecendo que é, ser patrão lembrando que não é’.
Chamam este País e seu povo de Recursos Humanos, alguns dizem que chamar o homem de ‘recurso’ não pega bem, inventaram Departamento de Gente, Setor de Pessoas, Gestão de Pessoas, nomenclaturas onde o que conta são as posturas.

Polêmicas e contradições à parte, eu sei que para ser RH é preciso vocação, trabalhar como missão, exercer o ofício com sensibilidade e razão.
Ter nervos de aço, ser régua e ser compasso.
(Autor desconhecido)